sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Psoríase

A Psoríase é uma doença eritemato-descamativa frequente e crônica que possui fases de remissão e que pode comprometer as articulações. Ela possui várias manifestações clínicas como: prurido, que é comum na psoríase da região anogenital e do couro cabeludo; dor articular; fraqueza, calafrios e febre.

Etiologia:

Sua causa é desconheida, com predisposição genética e envolvimento de alguns tipos de HLA, resultando na proliferação mais rápida das células da epiderme e alteração da ceratinização.
O tipo mais comum de psoríase é a vulgar, que ocorre sob a forma de pápulas e placas descamativas, recidivantes e crônicas em áreas típicas do corpo. A forma gutata, que tem instalação rápida, pode se relacionar com infecção estreptocócica prévia.

Epidemiologia:

O pico de incidência ocorre na idade de 22 anos, em crianças a média etária da doença é em torno de 8 anos. A psoríase tem incidência igual nos dois sexos e pode ser hereditária, ou seja, quando um dos pais tiver psoríase, 8% dos filhos desenvolverão a doença, e quando ambos os pais tiverem a psoríase, 41% dos filhos desenvolverão a doença.

Quadro Clínico:

Pápulas e placas descamativas com características de escamas esbranquiçadas. Geralmente são simétricas, com localização nos joelhos, cotovelos, couro cabeludo, região anogenital e região lombar. Na criança, há o acometimento da face na regial perioral ( boca) e região periocular ( olhos).

Evolução:

A doença ocorre por surtos ou pode ser contínua. Raramente tem remissão espontânea sem deixar sequelas. O tratamento melhora as lesões, porém não influência na evolução natural da doença.

Tipos de Psoríase:

Psoríase Vulgar: acomete os joelhos, cotovelos, região palmo-plantar e couro cabeludo.
Psoríase Gutata
Psoríase Ungueal
Psoríase Pustulosa

Tratamentos:

O tratamento vai variar de acordo com o tipo, a localização e extensão das lesões, por isso todos os pacientes devem ser examinados pelo menos uma vez por um dermatologista, para que seja confirmado o diagnóstico e para que se escolha o tratamento adequando.

Tópico: corticóides e coaltar, antralina.

Sistêmico: geralmente na infância não é utilizado. PUVA; etretinato e acitrina na formas mais graves; metotrexato que é o mais usado, mais barato e boa resposta; cicloporina.

Recomenda-se muita exposição ao sol.

Fisioterapia Dermato-Funcional e a Psoríare:

Na avaliação do paciente pelo fisioterapeuta, deve-se observar, - condições gerais da pele - alterações da pele - área afetada - extensão, tipo e gravidade da lesão. Pode-se usar uma ficha de avaliação padronizada, onde as áreas afetadas são delimitadas em diagramas da parte ventral e dorsal do corpo. Tomar cuidado com medicamentos que o paciente estiver tomando ou usando, uma vez que alguns alteram as reações do paciente em presença do ultra violeta. Obter a dose de eritema mínimo (DEM), observar a área submetida a tratamento após cada aplicação e reavaliar o paciente a cada sessão de tratamento.
O tratamento com a fisioterapia deve caminhar junto com o tratamento médico, para melhores resultados e satisfação do paciente.

Tramento com Fisioterapia Dermato-Funcional:

Recursos existentes para o tratamento:

1. Relaxamento - muitos tratamentos dermatológicos são à base de tranqüilizantes, o relaxamento será usado quando o paciente estiver nessa situação (no eczema por exemplo, o uso do relaxamento faz com que o paciente possa vencer a vontade de coçar a região).

2. Ultra violeta - usar desde a dose suberitematosa, variando em todos os graus, até a dose eritematosa. Objetivos: a) espessamento da pele b) aumento da descamação da pele c) aumento do suprimento sanguíneo à pele d) aumento da pigmentação da pele.

3. Infra vermelho - para infecção em área localizada visando aumento do metabolismo local e do fluxo sanguíneo para esta região, para dar condições ao tecido de combater a infecção, assim como o uso do aparelho de alta frequência, também pode ser utilizado.

4. Ondas Curtas e/ou Microondas - aplicar primeiro na área de suprimento sanguíneo da região afetada.

5. Crioterapia - o objetivo de início é o eritema, massageando a pele com cubo de gelo, variando o tempo de minutos até horas (em lesões com risco de rompimento da pele, por exemplo, substituir o calor pelo gelo).

6. Ultra som - usado nos processos inflamatórios, através de dosagem baixa, para melhor resolução desses processos.

7. Mobilização dos tecidos - usada quando houver fibrose e espessamento do tecido, podendo levar à contratura ou deformidade, pode-se aplicar estiramento passivo, movimento ativo, massagem profunda localizada e massagem com ar comprimido.

8. Splints e calhas de repouso - usadas para evitar retrações e favorecer o repouso do segmento.

9. Hidroterapia - para facilitar a movimentação e o relaxamento; os procedimentos mais usados são o tanque de Hubbard e a piscina terapêutica.

10. Material elástico - usado como colete, máscara ou para segmentos; alonga os fibroblastos evitando aumento de tecido cicatricial e formação de retrações.

Tópico: Hidratação da pele, emolietes com óleo de amêndoas, loções com ácido salicílico; derivados do alcatrão.

Marcelle Matoso.

Um comentário:

Vânia Almeida disse...

Olá, tenho um prêmio especial para você em meu blog, confira já!!
Abraços
Vânia
http://cuidandodocorpo.blogspot.com/